BlogMuseus, Palácios e Igrejas

Moscou: o que fazer na deslumbrante capital da Rússia

Posted

Moscou, a capital da Rússia, é uma cidade vibrante de cerca de 12 milhões de habitantes. Para conhecer tudo com calma são necessários pelo menos 5 dias porque além de todos os monumentos, museus incríveis e muita história a cidade tem uma vida noturna animada e ótimos restaurantes. Aqui estão as principais atrações do que deve ser visitado.

Kremlin 

É a denominação que se dá a um complexo fortificado encontrado nas principais cidades russas. A palavra é frequentemente utilizada em referência ao mais conhecido deles, o Kremilin de Moscou.

O Kremlin de Moscou fica no coração da cidade, ocupando uma área imensa em forma de triângulo: de um lado a Praça Vermelha, do outro o Parque Alexandre e o Rio Moskva.

Pelo lado de fora o Kremlin está cercado com imensa e linda muralha vermelha construída por Ivan, o Grande e que tem nada menos do que 20 torres. A mais famosa delas é a Torre do Salvador.

A Praça das Catedrais é definitivamente o lugar mais importante do complexo.  Ali ficam a Catedral da Assunção, a Catedral do Arcanjo São Miguel, construída entre 1505 e 1508 e onde estão enterrados vários príncipes e czares incluindo Ivan, o Terrível e a Catedral da Anunciação, uma das mais belas com nove cúpulas douradas em forma de cebola. Além destas, encontram-se ainda o Palácio das Facetas, a Igreja da Deposição das Vestes e a Igreja dos Doze Apóstolos.

Catedral da Anunciação

Catedral do Arcanjo São Miguel 

Também no Kremlin está a Armaria, onde estão expostas armas, peças de joalharia, insígnias reais (incluindo o famoso Gorro dos Monarcas) e peças exclusivas de artesanato em ouro e prata datadas do século XIII ao século XIX. No mesmo edifício está a exposição estatal permanente do Fundo dos Diamantes com peças particularmente valiosas de joalharia, relíquias dos czares e raras pedras preciosas.

Praça Vermelha

 A Praça Vermelha é um ícone da cidade, um dos primeiros lugares a ser visitado em Moscou. Abriga construções importantes como a Catedral de São Basílio, o mausoléu de Lênin, os túmulos de heróis soviéticos e o shopping GUM.

Catedral de São Basilio

Museu Pushkin de Belas Artes

É o segundo museu mais importante da Rússia, depois do Hermitage de São Petersburgo. Trata-se de um complexo arquitetônico de seis edifícios onde estão expostas mais de 500 mil obras de arte que vão desde a Antiguidade até os dias atuais.

Reúne múmias egípcias, sarcófagos, vasos romanos, esculturas gregas, manuscritos medievais e pinturas correspondentes ao período que vai do século XVI ao XX e assinadas por artistas como Botticelli, Monet, Rembrandt, Renoir, Picasso, Van Gogh e Matisse.

Galeria Estatal Tretyakov

Este museu é o maior repositório de arte russa do mundo. Em 1856, o colecionador Peter Tretyakov começou uma coleção pessoal que com o passar dos anos se tornou um dos mais importantes museus de Moscou. O belo prédio, com 62 salas distribuídas em dois andares, abriga mais de 170 mil trabalhos entre pinturas, desenhos, esculturas e muitos outros objetos importantes datados a partir do século XI. Há ainda arte sacra, retratos dos monarcas russos, e gravuras interessantíssimas de como Moscou e São Petersburgo eram séculos atrás além de uma rica coleção de Chagall, Malevich, Kandinsky.

Museu da Vitória 

O museu foi projetado para perpetuar a memória dos soldados soviéticos que morreram durante a Grande Guerra Patriótica (foi como ficou conhecida a Segunda Guerra Mundial para os soviéticos).

O museu é dividido em duas partes: a primeira parte fica no prédio atrás do obelisco, e a segunda, com os armamentos, ao ar livre, do lado esquerdo do parque.

Entre as áreas mais interessantes estão o Hall da Tristeza, em homenagem aos 26 milhões de russos que morreram durante a guerra 26 mil lágrimas de cristal simbolizam as lágrimas das mães que choraram por seus filhos mortos e o  Hall da Fama, uma sala circular com o nome dos heróis da guerra. A abóbada e a estátua do centro da sala impressionam pela grandiosidade.

A principal atração do museu são os dioramas de guerra: cenários que misturam imagens e objetos e reproduzem as batalhas, mesma técnica utilizada nos museus de história natural. No restante do museu há objetos, fotos, documentos e pôsteres relativos à guerra, como a mesa onde Stalin traçava as estratégias.

A exposição dos armamentos de guerra é  bem interessante. Logo na entrada tem a área de combates terrestres, com tanques, artilharia antiaérea, ferrovias e até uma trincheira em tamanho real.

Museu Bunker – 42

O Bunker 4.2 fica embaixo de um prédio amarelo claro, idêntico a tantos outros em Moscou. Na década de 60, os russos simulavam a movimentação de um prédio residencial comum, para não levantar suspeitas sobre as operações de guerra.

A visita ao Museu da Guerra Fria começa descendo  20 andares de escada. O abrigo antiaéreo foi construído para resistir a um ataque nuclear e por isso fica abaixo do nível do metrô, a 65 metros da superfície.

Dos bunkers construídos pelos russos, o modelo 4 era o mais eficaz – tinha os corredores protegidos por 1 metro de concreto para cada lado, cobertos de chapa de aço.

O primeiro deste tipo, chamado 4.1, foi construído embaixo do Kremlin. O segundo é este, que ganhou o nome de Bunker 4.2 e é o único bunker aberto a visitação em toda a Rússia.

Ali funcionava um centro de controle de voos de longa distância, além de um abrigo com capacidade para manter 600 pessoas por até 3 meses.

Os suprimentos entravam por uma passagem secreta na estação de metro Taganskaya, por onde também era feito o acesso dos oficiais militares.

O complexo do bunker tinha 4 blocos, em túneis diferentes, numa área total de 7 mil m2. O trecho que hoje tem o Museu da Guerra Fria era onde funcionava a operação do centro de controle. Nos outros três blocos ficavam os telegrafistas, os reservatórios de água e energia, e a acomodação com dormitório, vestiário e cozinha.

Todos os ambientes foram remontados no museu, para mostrar como as coisas funcionavam na época de Stalin.

Tem também um pequeno vídeo documentário que conta a história da Guerra Fria.

Mesmo já estando desativado há décadas, o acesso ao Bunker- 42 é controlado e as visitas precisam ser agendadas com antecedência. No site oficial, existem 12 tipos de tours diferentes, mas apenas 2 tours regulares em inglês.

Estações de Metro

Moscou tem as estações de metro mais bonitas do mundo. Foram construídas com luxo, para serem “palácios do povo”. Algumas possuem grandes lustres de cristal, imensos corredores de mármore, esculturas em bronze e vitrais coloridos e que poderiam ser facilmente confundidas com um salão de festas de um palácio.

Em cada estação há homenagens a grandes personalidades russas, como Dostoiévski e Yri Gagarin e a grandes eventos da história russa.

A estação Mayakovskaya é considerada a mais bonita. Foi construída em 1938, em estilo art déco pelo arquiteto Alexey Dushkin. Possui arcos, paredes e piso de mármore branco e rosa, além de 34 mosaicos de teto.

A estação Komsomolskaya foi inaugurada em 1952 e é considerada a estação mais luxuosa. Representa o ápice do Império Stalinista, com elegantes lustres de bronze e mosaicos monumentais. Apresenta colunas e arcos revestidos de mármore e um teto ornado com oito grandes painéis sobre a luta russa por independência e liberdade.

A estação Novokouznetskaya é a segunda estação mais luxuosa. Foi construída durante a Segunda Guerra Mundial e inaugurada em 1943.  Nela se encontram enormes bancos de mármore, medalhões de bronze com imagens de bandeiras, escudos e armas, e retratos de grandes comandantes militares russos. No teto, lustres gigantes e mosaicos retratam o cotidiano na União Soviética.

 Kolomenskoe 

Esse palácio de verão dos czares russos é também chamado de Palácio Real do Czar Alexey Mikhailovich. Alexey Mikhailovich era pai do Czar Pedro I, o segundo Czar da dinastia Romanov a usar esse palácio como residência de verão.

Suas torres e igrejas podem ser vistas de longe. As construções dos séculos XVI e XVII são obras-primas dos arquitetos russos que eram capazes de construir torres defensivas, palácios e igrejas sem quase utilizar pregos e serras.

Sergiev Posad

A cidade está localizada na região da Rússia Central denominada Anel de Ouro, que é formada por 8 cidades históricas russas: Ivanovo, Kostroma, Pereslavl-Zalesskiy, Rostov Veliki, Sergiev Posad, Suzdal, Vladimir, Iaroslavl.

De todas as cidades do Golden Ring Sergiev Possad é a mais importante pois se tornou um dos principais centros de peregrinação da Igreja Ortodoxa Russa, comparável ao Vaticano para os católicos. Catarina a Grande costumava ir a pé de Moscou 1 vez ao ano em peregrinação. Fundado em 1345, o Monastério da Trindade de São Sérgio, foi inicialmente construído por Sérgio de Radonej, que mais tarde viria a ser um dos mais venerados santos da igreja ortodoxa russa. Ainda hoje, as relíquias de São Sérgio podem ser vistas na Catedral da Santíssima Trindade de São Sergio, que é a mais antiga do complexo.

Alguns anos depois, outras igrejas foram construídas nas proximidades da catedral dedicada à Santíssima Trindade, entre elas a Igreja do Espírito Santo, encomendada por Ivan III da Rússia em 1476 e a Catedral da Assunção, que foi encomendada por Ivan IV da Rússia em 1559.

Em 1744, Isabel da Rússia conferiu ao mosteiro o título de Lavra, título esse reservado aos mosteiros ortodoxos mais importantes e espetaculares do país.

Em 1920, no entanto, o governo soviético fechou o monastério e transformou diversos edifícios em prédios públicos.

O Mosteiro ficou fechado por quase 26 anos, até que por ordem de Stalin ele foi reaberto em 1946.

Desde então até 1988, o mosteiro foi residência do Patriarca Russo, quando foi decidido que a sede do patriarcado seria transferida para o Mosteiro de Danilov, no centro de Moscou.

Izmailovsky Market

Local fantástico, de fácil acesso através da estação de metrô Partizanskaya. Dedique 1 dia inteiro para visitar o local. Leve dinheiro em espécie. Dólares e euros também são aceitos.

Aqui você vai encontrar a maior variedade de matrioskas, chapéus ushanka e diversos outros souvenirs russos.

Se você está procurando algo mais exclusivo e chique, algumas barracas vendem antiguidades e joias antigas.

Você ainda vai encontrar roupas típicas, brinquedos, presentes de madeira, cestas, itens artesanais para tarefas domésticas e utensílios de cozinha.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *