Viagem para a Islândia: onde se hospedar?

por Ana Guimarães

A Islândia não é feita para “curtir hotel”.  E muito menos para curtir cidade. Com exceção de Reykjavik e Akureyri, o que vemos são povoados, fazendinhas e hotéis no meio do nada. A Islândia é para curtir a estrada. Cada curva uma surpresa e a paisagem mudando o tempo todo. Parece que saímos do planeta terra. E para quem for durante a época em que é possível ver a Aurora Boreal, basta verificar no Hotel se eles têm o “alerta”. Todos os hotéis que passamos (e acredito que todos os hotéis nos arredores da N1) tinham um serviço gratuito de alerta que funciona assim: eles chamam ou acordam os hóspedes no quarto se houver atividade. Basta pedir.

 

Passamos a noite nos lugares descritos abaixo. Não era o que queríamos no início, mas decidimos viajar com 1 mês de antecedência, então não tivemos muito tempo e não encontramos hotéis com quarto triplo e banheiro privativo, que eram as nossas exigências nas nossas primeiras opções ao longo da rota, e por isso optamos por outros lugares.  Todos foram confortáveis e tinham café da manhã incluído. Em dois deles tinha sauna, mas não usamos.

 

As duas primeiras noites em Reykjavik ficamos no hotel Foss Baron. Tínhamos a opção de fazer o círculo dourado e continuar até Selfoss ou um pouco adiante até a primeira parada do dia seguinte, que foi a cachoeira Seljalandsfoss, mas preferimos voltar até Reykjavik para aproveitar um pouco mais da cidade, já que teríamos pouco tempo para isso. Se tivéssemos mais tempo na capital, teríamos seguido a viagem até Seljalandsfoss ou próximo de lá e dormido por essas bandas.
A terceira noite foi em Kalfafell no hotel Foss Núpar.

 

O horizonte do Foss Hotel Núpar

 

A quarta foi em Breiddalvisk no Hotel Bláfell. Queríamos ter ficado em Höfn, mas o único lugar que achamos que atendia às nossas necessidades ficava duas horas depois de Höfn. Porém, por volta de 19:00 horas estávamos em Höfn e jantamos lagostim (Höfn é famosa pelos seus lagostins) e seguimos para o leste sem ver a paisagem. Mas vimos de novo a Aurora Boreal  e desta vez as luzes estavam mais fortes.

 

Lounge do Hotel Bláffel

 

Nossa quinta noite foi como planejamos, no Lago Myvatn no Hotel Reynihlid.

 

Hotel Reykjahlid

A sexta noite foi em um lodge, Gauksmyri Lodge no oeste da Ilha, em Hvammstangi.

 

Entardecer no Gauksmyri Lodge

 

E a última em Keflavik, no Base Hotel, perto do aeroporto e da Blue Lagoon pois a intenção era passar o dia na Blue Lagoon aguardando o voo no final da tarde.

 

[No primeiro post da série sobre a Islândia a Ana Guimarães contou como ela planejou sua viagem para a Islândia. Para saber mais, clique aqui]

 

 

Foto em destaque: Claudia Regina

Parceiros